Kantar Worldpanel - www.kantarworldpanel.com

"Brisas de Mudança” no 1º Semestre 2014

28/07/2014

Se a redução da frequência de compra é o elemento mais distintivo do comportamento do shopper neste semestre, há no entanto outras interpretações a apontar para poder entender o que está a acontecer com o consumidor português no 1º Sem 2014, no grande consumo.

As informações que nos chegam dos lares apontam para uma redução significativa da frequência de compra de -3,5%. E o ligeiro aumento da cesta de compras em +1,2% não chega para a compensar, o que faz cair o mercado total em -1,5% no volume FMCG comprado.

Esta queda do volume total FMCG de -1,5% é ainda mais significativa pois compara com o primeiro semestre de 2013 onde se tinha verificado uma das maiores quedas de sempre no volume total comprado pelo pelos lares, que foi de -3,7%, recordamos. E isto acontece num dos mercados teoricamente mais estáveis e resistentes de entre todos os sectores.

Esta tendência afeta de igual modo quer a compra em MDF, quer a compra em MDD, pois ambas as ofertas sofrem a mudança do comportamento de compra dos Portugueses. Ou seja a redução da frequência de compra e a redução do volume total comprado.

Por outro lado, as compras com Promoções pesam já 19% de todas as compras feitas pelos lares no mercado “FMCG sem Frescos” no 1º semestre de 2014.

Mais Promoções = Menos Visitas?
Cerca de 58% dos lares reduziram a frequência de compra neste semestre. Mas quem mais reduz a frequência de compra são os Lares Com Filhos que são precisamente aqueles que mais fazem compras com Promoções. Parece verificar-se que um peso superior de compras em Promoção está a contribuir para uma redução da frequência de compra mas sem ter a contrapartida de um aumento do volume total comprado. No extremo oposto o segmento dos Reformados foi quem menos reduziu a frequência de compra (apenas -0,7%) e onde as Promoções menos pesam nas compras (14,4% versos os 19% para o Total Portugal).

Se analisarmos os últimos 4 anos fica claro que os lares portugueses percorrem um caminho de “otimização” do consumo FMCG, reduzindo o volume comprado em -11% desde 2010. Esta realidade, quer seja forçada pelas dificuldades ou fruto de um esforço de poupança, leva-nos a concluir, globalmente, que há maior frugalidade no comprador português.
Apesar da frequência de compra ser agora idêntica à de 2012, não podemos falar num regresso ao comportamento de compra que acontecia antes desta crise, pela simples razão que agora compramos menos quantidade FMCG.

P6: Um sinal positivo
Talvez seja um sinal positivo o facto de nas últimas semanas do semestre – o P6 – apresentar pela primeira vez em três anos uma variação positiva face ao período homólogo, no volume total comprado pelos lares. Talvez seja um sinal, que a consolidar-se nos próximos meses, possa representar uma mudança de tendência na crescente redução do volume total no fmcg.

"Brisas de Mudança” no 1º Semestre 2014

Entre em contacto

Paulo Caldeira
Business Development Director

Ligue-se @ nós
Newsletter
Twitter
LinkedIn

Our website uses cookies to improve the user experience.
By continuing to use this site you agree to our use of cookies. [Cookies policy]