Notícias
Kantar Worldpanel - www.kantarworldpanel.com
News

E-commerce contribuiu com crescimento FMCG em Latam

14/01/2021

Share

E-commerce contribuiu com crescimento FMCG em Latam

O que o COVID-19 nos deixou no ano passado e como ele moldará nosso novo normal em 2021? Vale lembrar que, com a chegada e evolução da pandemia, os consumidores adaptaram seu comportamento de compra de acordo com o contexto econômico e a crise sanitária, ou seja, primeiro foram feitas as compras de pânico e abastecimento, depois veio o isolamento social e, por fim, a fase de adaptação. 

“Nesse período, os consumidores gastaram US$11 bilhões adicionais em FMCG para consumo dentro do lar em 2020, desencadeado pelo confinamento e novos hábitos de compra que a quarentena trouxe consigo. Vale ressaltar que foi realizada uma pesquisa e a maioria dos domicílios declararam considerar manter esses novos comportamentos no futuro porque ficará em casa por mais tempo ”, explicou Marcela Botana, Diretora Regional de Contas da Kantar.

Portanto, verificou-se que este gasto “extra” com FMCG gerou a recuperação do mercado na maioria dos países latino-americanos, que haviam apresentado um resultado negatio ou estável em 2019. No terceiro trimestre do ano passado, porém, houve alguns sinais de desaceleração desse crescimento nos territórios com as maiores taxas de inflação e desemprego da região, como Argentina, Brasil, Colômbia e Chile.

Além desse crescimento recorde do setor de FMCG, algumas tendências se destacaram com impacto de médio e longo prazo, por exemplo:

- Os consumidores na maioria dos países da região visitavam as lojas menos vezes em comparação com 2019 e não há sinais de retorno aos níveis pré-pandêmicos

- O e-commerce cresceu em todos os países e grupos demográficos, quebrando barreiras e alcançando níveis sem precedentes que devem continuar a se desenvolver

- Os canais de proximidade e os que oferecem produtos baratos foram os mais atrativos para o consumidor em 2020, e a tendência é que continuem ganhando relevância em 2021

Focando em alguns países, vemos que, no caso do México, o comportamento foi "atípico" em um contexto de crise em termos de tamanhos e canais escolhidos. Na Colômbia, observou-se desde o início que eles traziam carrinhos mais cheios ou mais itens por viagem com o objetivo de se expor menos para cuidar da saúde.

Agora é hora de falar sobre o protagonista desta pandemia e que teve um aumento acelerado no curto prazo e que contribuiu com 4% do crescimento total da FMCG na América Latina: o E-commerce. A Kantar havia previsto que o canal alcançaria esse nível de importância na região em meados de 2023 (uma aceleração de quase 3 anos).

Marcela Botana, diretora da Kantar acrescentou: “O canal foi democratizado com a adição de 9 milhões de novos compradores na América Latina, com destaque principalmente em Higiene Pessoal e na agilidade que foi adotada no México. Especificamente, a Cidade do México experimentou o crescimento mais rápido em 2020: em apenas 9 meses eles adicionaram mais de 1 milhão de compradores ao canal, alcançando níveis de penetração tão altos quanto os que vemos em Bogotá, que já está vindo de um desenvolvimento de mais de 1 ano ”.

Além do comércio eletrônico, os minimercados e o Cash&Carry foram os dois canais que mais cresceram em 2020. O interessante é que o fizeram com fontes diferentes: a C&C acima de tudo ganhou novos compradores (+6 milhões) e oportunidades de compra, enquanto a os minimercados perderam frequência, mas conseguiram compensar o volume com um aumento significativo de compras por ocasião. Além disso, atraíram mais compradores de alto nível como fonte secundária.

“Os movimentos nos canais indicam tendências futuras, passando por formatos focados tanto no Mix ou no Digital com sua comodidade e segurança (saúde) neste contexto, chegando a formatos emergentes, como o "In- Home Stores": que combinam um mix diversificado, com comodidade / proximidade, mantendo preços competitivos em relação a outros canais”, afirmou a diretoria da Kantar.

Em conclusão, observamos que fatores econômicos e de saúde fizeram de 2020 um ano recorde em termos de consumo dentro do lar, e é provável que o consumo dentro do lar ainda seja alto até meados de 2021, mas já com pressões econômicas no sentido de uma desaceleração. Outra ação que também vai continuar este ano é a racionalização, que é uma necessidade para vários grupos de consumidores, bem como a reconfiguração dos canais em função do seu papel e os grandes vencedores vão manter os seus ‘motivos’ para continuar a crescer. A execução continuará a levar a conversão de compradores online e offline que procuram proximidade e produtos baratos.


[1] FMCG por sua sigla em inglês. Refere-se a produtos de consumo de bens massivo.

[2] Mix: Combinação de canais offline e online

[3] Lojas In-Home: Venda de produtos básicos encontrados em condomínios com o objetivo de minimizar o contato com outras pessoas, 24/7 e autoatendimento.

Entre em contato

Marcela Botana

Regional Account Director

 

Contatar o autor

Newsletter

Print this page

Social
Newsletter
Twitter
LinkedIn
Facebook

O nosso site utiliza cookies para melhorar a experiência do usuário.Para continuar a utilizar este site, você concorda com a nossa utilização de cookies. [Cookies]