News Center
Kantar Worldpanel - www.kantarworldpanel.com
News Center

Portugal em contraciclo no consumo fora de casa

16/03/2022

Share

Portugal em contraciclo no consumo fora de casa

À medida que as restrições em todo o mundo continuam a abrandar e a confiança dos consumidores cresce, as pessoas estão a retornar gradualmente aos seus hábitos de consumo de snacks e bebidas não alcoólicas pré-pandemia. Impulsionado por isto, os gastos fora de casa (OOH) nas categorias de snacks e bebidas não alcoólicas estão a recuperar rapidamente – mas ainda há algum caminho a percorrer.

As vendas em valor de OOH aumentaram, pelo terceiro trimestre consecutivo, no quarto trimestre de 2021, crescendo 19% em comparação com uma queda de 25% no mesmo período de 2020. Isto impulsionou o valor do mercado total em casa e em OOH em 6% relativamente ao ano passado; Reino Unido, Espanha, China Continental e França contribuíram com quase três quartos para este crescimento. Portugal está em contraciclo no que diz respeito ao consumo OOH, com uma quebra em valor de 3%, face ao mesmo período de 2020, sendo que a combinação de in e out of home resultou numa quebra de 9%.

Barometro_OOH_4Trim_1.png

Embora este quadro geral seja positivo, observar a evolução dos gastos em OOH nesta categorias, ao longo de um período de três anos, oferece uma perspetiva valiosa: ainda é 10% mais baixa do que no quarto trimestre de 2019, antes da chegada da COVID-19. Adicionalmente, apesar da contribuição das vendas de OOH para o total de vendas de snacks e bebidas não alcoólicas ter aumentado de 30%, em 2020, para 34%, em 2021, ainda não atingiu o nível pré-pandémico de 39%.  Neste parâmetro, Portugal acompanha a tendência global, uma vez que, no quarto trimestre de 2021, as categorias de snacks e bebidas não alcoólicas representaram 10% do valor gasto para o total FMCG, enquanto que no mesmo período de 2020 representaram 15%.

Barometro_OOH_4Trim_2.png

Refrigerantes, café e gelados lideram o caminho

O desempenho das vendas de bebidas OOH está a ser mais forte que as vendas de snacks – com um crescimento de 22% e 14%, respetivamente. A recuperação é mais rápida nas categorias que estão muito dependentes do OOH: refrigerantes, cafés e gelados. Estas foram as categorias mais afetadas durante a pandemia, em parte porque não conseguiram reproduzir as ocasiões OOH dentro de casa com tanto sucesso quanto o chocolate e os snacks salgados.

O gasto em refrigerantes em OOH aumentou um terço (34%), em comparação com o ano anterior, no quarto trimestre, sem afetar a evolução da categoria em take-home, que também cresceu 4%. A possibilidade de se poder consumir no local não afetou as compras take-home, indicando um novo hábito. Isto destaca o potencial para reter os gastos para dentro de casa, ao mesmo tempo que continua a aumentar o consumo por impulso e on-the-go, em OOH. As compras de refrigerantes OOH contribuíram em 49% para o valor total de mercado de In&Out – um aumento de 42% em comparação com o quarto trimestre de 2020, mas ainda abaixo dos 57% de quota, que liderava em 2019. A recuperação total deste setor dependerá do aumento dos gastos em bares, cafés e restaurantes.

Embora cafés e gelados ainda não tenham recuperado os seus níveis anteriores de gastos em OOH, estão ambos a crescer. A recuperação completa do valor do café dependerá dos cafés, enquanto que o consumo de gelados mudou-se, durante a pandemia, para canais de impulso e de conveniência.

Mercados incluídos na análise: Portugal, Reino Unido, Espanha, Brasil, França, Tailândia, México e China Continental.

Entre em contacto

Andreia Carvalho
Client Director & Expert Solutions

Newsletter

Print this page

Ligue-se @ nós
Newsletter
Twitter
LinkedIn
Facebook

O nosso site utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao continuar a utilizar este site, concorda com a utilização das nossas cookies. [Cookies policy]